Restam apenas:
para o fechamento das inscrições!

Sobre o Programa

O programa de aceleração de tecnologias ASTRo é composto por uma série de atividades em grupo e individuais. Durante 12 semanas, vão ser realizados módulos de desenho de proposta de valor, construção de plano experimental e de pesquisa, definição de modelo de negócios e plano de comercialização.

Para informações mais detalhadas sobre o programa e critérios de elegibilidade, consulte o regulamento aqui.

Quem pode participar?

  • Qualquer grupo de pesquisa, cadastrado ou não no CNPq, que possua pesquisa para desenvolvimento de uma tecnologia em saúde, tem a possibilidade de participar do programa ASTRo. O grupo precisa ser ligado a uma ICT (Instituição de Ciência e Tecnologia), que pode ser uma universidade, instituto ou fundação. Consulte a lista de ICTs aqui. Além disso, é necessário que a instituição tenha uma área de gestão dos processos de inovação. E essa área já deve ter desenvolvido uma política de propriedade intelectual.

  • O proponente da tecnologia, que precisa ser na área de saúde, deve ser o pesquisador líder, ou o principal, ou o pesquisador responsável pelo grupo que possuir vínculo empregatício com a ICT. Ele assumirá a responsabilidade pela preparação e submissão da proposta. Todos os materiais que forem enviados pelos grupos ficarão armazenados na base de dados da Roche, mas continuam sendo propriedade de seus autores.

Benefícios para os pesquisadores acadêmicos

  • Aperfeiçoamento dos planos de comercialização das tecnologias em desenvolvimento;
  • Identificação de possíveis parceiros e alternativas de modelos de negócios com diferentes “pacotes de valor”;
  • Mentoria com especialistas de mercado e especialistas indicados da Roche.

Benefícios para as ICTs dos pesquisadores.

Validação de um método para:

  • Desenvolvimento de parcerias e de redes – interação com potenciais parceiros, usuários e clientes para o refinamento das propostas de valor e a formulação das estratégias para o desenvolvimento de colaborações formais.
  • Construção de capacidades – desenvolvimento dos conhecimentos e das habilidades necessários para fazer parcerias e comercializar tecnologias.

Inscreva-se

faq

Para submeter uma proposta é preciso seguir atender a alguns quesitos e preencher algumas informações. Você pode acessar o regulamento do programa ASTRo clicando aqui e o formulário de inscrição clicando aqui. O período de inscrições vai de 21/05 até o 02/07.
A sua proposta deverá ser encaminhada de 21/05 até o 02/07 unicamente por via eletrônica. Para fazer isto, clique aqui.
O proponente é o pesquisador líder, ou o principal, ou pesquisador responsável pelo grupo de pesquisa que possui vínculo empregatício na Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT). O proponente assume a responsabilidade pela preparação e submissão da proposta, bem como pela pela coordenação da tecnologia caso seja aprovado pelo ASTRo. Estudantes de mestrado, doutorado, ou outros pesquisadores que desejem submeter uma proposta deverão fazê-lo por intermédio do seu pesquisador líder.
Podem participar da chamada grupos de pesquisa cadastrados ou não no diretório de grupos do CNPq. Os grupos devem possuir pesquisas que permitam desenvolver tecnologias em saúde. A equipe precisa estar vinculada à uma ICT que tenha uma área de gestão de processos de inovação e já tenha desenvolvido políticas de propriedade intelectual.
  • Grupos de pesquisa que não possuem líder / proponente com vínculo empregatício com a ICT;
  • Grupos de pesquisa pertencentes a ICTs que não possuam área de gestão de processo de inovação (NIT, agência, diretoria) formalizada;
  • Pesquisadores independentes que não estejam vinculados a alguma ICT ou alunos de mestrado e doutorado que não participem de grupos de pesquisa.
Não podem participar pesquisadores independentes ou grupos de pesquisa que não estejam vinculados a alguma ICT ou alunos de mestrado e doutorado que não participem de grupos de pesquisa.
Cada proponente pode submeter uma proposta com até duas tecnologias. Grupos de pesquisa de uma mesma instituição poderão se associar para apresentação de uma mesma proposta em grupo, desde que obedeçam às seguintes condições:

a) todos os proponentes do grupo responderão solidariamente pelos atos praticados nessa iniciativa. Tanto na fase da chamada quanto na fase de formalização com a Roche para a implantação do programa ASTRo na instituição ganhadora.

b) Cada proposta deverá apresentar um único representante para submissão e comunicações relacionadas a esta chamada.

c) O pesquisador responsável pelo grupo de pesquisa poderá submeter somente uma proposta. Propostas diferentes, mas com o mesmo pesquisador responsável serão desconsideradas.
Um proponente pode fazer uma única proposta com até duas tecnologias.
Não. Vale ressaltar que todos os materiais enviados pelos grupos de pesquisa ficarão armazenados na base de dados da Roche, mas continuarão de propriedade de seus autores. Os conteúdos cadastrados serão divulgados apenas para a Roche, para os avaliadores (consultores da FIA) e para os mentores indicados.
Maturidade tecnológica é o estágio de desenvolvimento no qual a tecnologia apresentada se encontra. Ela pode ser classificada nos seguintes níveis:

  • Maturidade 1 - investigação básica ou ideia em desenvolvimento onde os princípios básicos da tecnologia são observados e reportados. Mas, ainda não se realizou investigação aplicada nem desenvolvimento.
  • Maturidade 2 - investigação suportada por um conceito tecnológico e/ou ideia de aplicação no qual a tecnologia já possui algum grau de sustentação. Ou seja, já foram observados alguns princípios básicos e foi iniciada a P&D, mas as aplicações ainda são especulativas.
  • Maturidade 3 - investigação suportada por um mínimo de experimentação, onde foram realizados estudos experimentais e analíticos para validar as predições que se tem acerca da tecnologia. Estes estudos constituem uma prova de conceito preliminar da tecnologia, realizada em ambiente laboratorial (ex.: testes in vitro).
  • Maturidade 4 - validação dos componentes da tecnologia em ambiente de laboratório, no qual os componentes tecnológicos básicos são desenhados, desenvolvidos e integrados para verificar se trabalham em conjunto. No caso de produtos de software, inserem-se nesta etapa os “alpha tests”.
  • Maturidade 5 - validação dos componentes da tecnologia em ambiente relevante para integração dos componentes tecnológicos e teste das aplicações deles num ambiente realístico. Corresponde aos ensaios pré-clínicos no setor farmacêutico e à validação dos componentes do sistema ou processo em produtos de software.
Grau de inovação é a relevância / diferencial que a tecnologia apresentada possui na proposta quando comparada às tecnologias existentes para solução do problema a ser resolvido. Pode ser classificada da seguinte forma:

  • Baixo grau de inovação - a tecnologia utiliza de metodologias e ou equipamentos tradicionais amplamente utilizados na área da saúde para sua concepção.
  • Médio grau de inovação - a tecnologia utiliza se de poucos avanços e/ou adaptações em metodologias, equipamentos ou engenharia reversa para sua concepção e aplicação na área da saúde.
  • Alto grau de inovação - a tecnologia utiliza se de novas metodologias e ou novos equipamentos desenvolvidos especificamente sua concepção e aplicação na área da saúde.

Todas as definições utilizadas no regulamento estão disponíveis no item 13 e podem ser acessadas clicando aqui.
ASTRo é um programa de aceleração. Ele é direcionado a grupos de pesquisa que visem refinar os planos de desenvolvimento e comercialização das tecnologias que estão trabalhando nos seus laboratórios, identificando potenciais parceiros para as mesmas. O programa é composto por uma série de atividades em grupo e individuais durante um período de 12 semanas. Elas envolvem módulos de desenho de proposta de valor, construção de plano experimental e de pesquisa, definição de modelo de negócios e plano de comercialização.
Resultados esperados para os grupos de pesquisa participantes:

  • Aperfeiçoado seus planos de comercialização;
  • Identificação de possíveis parceiros e diferentes modelos de negócios com “pacotes de valor”;
  • Realização de encontros com três atores externos de seus respectivos ecossistemas de inovação.

Resultados esperados para a ICT a qual os grupos de pesquisa pertencem:

  • Desenvolvimento de parcerias e de redes – interação com potenciais parceiros, usuários e clientes para o refinamento das propostas de valor e a formulação das estratégias para o desenvolvimento de colaborações formais.
  • Construção de capacidades – desenvolvimento dos conhecimentos e das habilidades necessários para fazer parcerias e comercializar tecnologias.
O programa é composto por 12 sessões - seis de conteúdo e oficinas (48 horas); quatro sessões de mentorias individuais (quatro sessões de duas horas); três de encontros com atores externos (três encontros de duas horas); e uma apresentação final para uma banca de especialistas (meia hora por grupo).

Planos de comercialização - além das horas destinadas às atividades em grupo, mentoria e encontros com parceiros externos, serão necessárias horas do grupo para o desenvolvimento dos planos de comercialização.
Pesquisa - é um conjunto de ações que visa a descoberta de novos conhecimentos em uma determinada área, contribuindo para o avanço da ciência e para o desenvolvimento social.

Tecnologia - é um produto da ciência e da engenharia que envolve um conjunto de instrumentos, métodos e técnicas que visam a resolução de problemas. É uma aplicação prática do conhecimento científico em diversas áreas de pesquisa.

Inovação - introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo e social que resulte em novos produtos, serviços ou processos. Ou, ainda, que compreenda a agregação de novas funcionalidades ou características a produto, serviço ou processo já existente que possa resultar em melhorias e em efetivo ganho de qualidade ou desempenho, de acordo com a Lei Federal 13243, de 11 de janeiro de 2016.

Além disso, a inovação requer a aceitação de alguma mudança na tecnologia, no produto ou no processo por um mercado, de forma a agregar valor para alguma das partes envolvidas. E que também traga resultados como consequência da adoção das mudanças.
É o resultado de um processo em que o grupo de pesquisa utiliza várias técnicas para identificar e validar mercado, modelos de negócios, potenciais parceiros e desenvolver planos de ação. Ele se apresenta em um documento de duas páginas, que pode ser utilizado como material suporte para negociações da tecnologia com diversos atores do ecossistema.

Sobre a Roche

Com sede na Basileia, na Suíça, a Roche é líder em pesquisa voltada à saúde, com forças combinadas em produtos farmacêuticos e diagnósticos. É uma das maiores empresas biotecnológicas do mundo, com medicamentos realmente diferenciados em oncologia, imunologia, doenças infecciosas, oftalmologia e neurologia. Também é líder mundial em diagnóstico in vitro e diagnóstico de câncer de tecido. A estratégia personalizada de saúde da Roche visa fornecer medicamentos e diagnósticos que possibilitem melhorias tangíveis na saúde, qualidade de vida e sobrevivência dos pacientes.

A Roche foi uma das primeiras empresas a reconhecer a importância da inovação externa. Há mais de 10 anos foi criada a Roche Partnering, com o objetivo de se tornar partner of choice para empresas de biotecnologia e institutos de pesquisa em todo o mundo. Desde então, a empresa manteve um modelo que valoriza a inovação externa tanto quanto as descobertas internas. Ela segue uma estratégia de P&D fundamentada em parcerias, pois acredita que assim é possível construir um futuro melhor, com medicamentos e tecnologias que fazem uma diferença real para os pacientes.

Para mais informações, visite www.roche.com.br.

Sobre a FIA

A FIA, Fundação Instituto de Administração, é uma entidade privada sem fins lucrativos criada em 1980 que atua em programas institucionais e desenvolve projetos de pesquisa, consultoria e educação em todas as áreas da administração.

Foi declarada como instituição de utilidade pública municipal, estadual e federal em 2005 devido à sua constante contribuição à sociedade e aos projetos de grande impacto social.

Um dos programas da FIA é o Programa de Gestão da Inovação e Projetos Tecnológicos, que em gestão da inovação, trabalha com os temas de política industrial e tecnológica, indicadores de capacitação tecnológica, gestão estratégica da tecnologia, alianças, auditoria e transferência de tecnologia, gestão de P&D e gestão do conhecimento.

Em seus 30 anos de existência, foram atendidas mais de três mil empresas da iniciativa privada nacional e multinacional, do setor público e organizações da administração pública direta, associações de classe e entidades da sociedade civil. Neste período foram desenvolvidos cerca de cinco mil projetos nas três linhas básicas de atuação da instituição (educação, consultoria e pesquisa), capacitando-a para aplicar estudos e prestar serviços nos mais variados campos de especialização da Administração.

Promova sua ideia